Produtores de leite se mobilizam para doações aos criadores gaúchos

Doações de alimentos para os animais estão vindo de Estados como Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Goiás e Minas Gerais
Gustavo Paes

Publicado em 17/05/2024

A solidariedade aos produtores gaúchos de leite está mobilizando outros produtores do Brasil. Diversas ações de doação para ajudar os criadores do Rio Grande do Sul estão sendo realizadas em prol dos atingidos pelas enchentes das últimas semanas no Estado. A Associação dos Criadores de Gado Holandês do Rio Grande do Sul (Gadolando) vem recebendo os contatos para estas doações e está sendo apoiada por técnicos locais da Emater/Ascar-RS, prefeituras e sindicatos no sentido de organizar todas essas doações e encaminhar para que cheguem ao produtor necessitado.

O presidente da associação, Marcos Tang, observa que os produtores de leite do Rio Grande do Sul como um todo foram atingidos pelas enchentes, principalmente na Serra Gaúcha e região dos vales do Rio Pardo e Taquari. “As regiões mais castigadas com a enchente, como os vales do Taquari, do Rio Pardo e da Serra Gaúcha, têm muitos produtores de leite, principalmente da agricultura familiar. E estes foram muito atingidos com perdas enormes, tanto de animais, mas também com a comida para os animais e já estão ficando sem alimento para estas vacas, e isto é uma situação muito angustiante", destaca.
Doações estão sendo transportadas em caminhões de diversos estados
Doações estão sendo transportadas em caminhões de diversos estados

Tang salienta que com a pequena experiência que se teve em setembro do ano passado, onde a entidade coordenou a recepção de comida para o gado leiteiro, com doações vindas de criadores de Arapoti, no Paraná, novamente a Gadolando está trabalhando nesta logística. “Agora temos vários caminhões se deslocando de Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Goiás e Minas Gerais, para trazer alimento para essas regiões muito atingidas.

A Gadolando está nesta coordenação juntamente com técnicos da Emater, prefeituras, sindicatos e polícias rodoviárias porque, além de vermos rotas viáveis, nós temos que receber isso em um ponto central, conseguir descarregar esses caminhões, pois essas comidas vêm em embalagens muito pesadas, algumas com 500 quilos”, observa.O presidente da Gadolando pede para quem tiver locais para receber essas doações que possa disponibilizar os pontos para descarregar os caminhões.

“Temos que orientar ao máximo para otimizar a chegada desses alimentos. Tang também faz questão de destacar que o grande protagonista das doações são pessoas. “São os CPFs, são doadores de várias regiões do País que estão fazendo a diferença. E que Deus abençoe a todos”, agradece.


Sobre o autor Gustavo Paes

O repórter Gustavo Paes é correspondente do portal RuralNews em Porto Alegre e produz diariamente conteúdo.
TAGS:
COMENTÁRIOS

O QUE VOCÊ ACHOU DESSE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO...

Assine nossa NEWSLETTER
Notícias diárias no seu email!
Destaques
Assine nossa NEWSLETTER
Notícias diárias no seu email!

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nossos termos de privacidade e consentimento da nossa Política de Privacidade.