Suinocultura tem boas projeções para 2024, segundo analista

Em reunião da Comissão Técnica da FAEP, Iuri Pinheiro Machado apresentou uma análise do setor, com base em fatores internos e externos
Imagem do autor

Publicado em 18/11/2023

A suinocultura deve encontrar um cenário favorável ao longo de 2024, com oferta ajustada no mercado interno, perspectiva de preços mais elevados e exportações em alta, segundo avalição do consultor da Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS), Iuri Pinheiro Machado. O especialista apresentou uma palestra a produtores paranaenses, durante reunião da Comissão Técnica de Suinocultura da FAEP, nesta quinta-feira (16). O encontro foi realizado por videoconferência.

As exportações brasileiras de suínos tiveram aumento de 8% entre janeiro e outubro deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado. No entanto, segundo Machado, os embarques tiveram uma leve desaceleração nos últimos três meses. Neste cenário, a China continua sendo a maior compradora de carne suína brasileira, mas o país asiático recompôs seu rebanho e, com isso, a expectativa é a redução das compras. Ainda assim, as importações chinesas devem continuar a ter peso determinante para o Brasil.

“A meta da China é produzir 95% de sua demanda interna de carne suína. Ainda assim, eles vão precisar importar 2 milhões de toneladas por ano”, disse Machado. “Em 2022, 46% dos embarques brasileiros de carne suína foram para a China. Talvez estejamos com uma mudança em curso. Podemos terminar 2023 com a redução para 35,5%. Ao mesmo tempo, temos a pulverização das nossas exportações para outros países”, avaliou o consultor.

Em relação a produção, de acordo com o especialista, houve uma desaceleração no volume de suínos produzidos no Brasil. Ainda assim, entre janeiro e setembro de 2023, a produção foi 1,9% maior em relação ao mesmo período do ano passado. “A gente está em um ano de estabilidade”, resumiu o consultor da ABCS. Ele destacou que o consumo tem sido um dos principais responsáveis pelo avanço do setor: em dez anos, o consumo per capita saltou de 13,7 para 20,5 quilos por habitante (alta de 49,8%).

Outro ponto positivo diz respeito à comparação dos preços dos suínos no mercado consumidor em relação a outras proteínas animais. Em 2022, a carne bovina custou, em média, 120% a mais que a suína. Em relação à carne de frango, os cortes suínos estiveram 26% mais baratos. Ao longo de 2023, esse cenário teve alterações, mas ainda assim a carne suína continua com preços 60% mais baixos que os produtos da bovinocultura e da avicultura.

Projeções



Na avaliação de Machado, até janeiro de 2024, o mercado interno deve continuar aquecido para os produtos da suinocultura. A redução dos abates de bovinos deve aumentar a competitividade da carne suína, contribuindo para elevar os preços. Paralelamente, as exportações devem continuar em um patamar elevado ao longo de 2024, ajudando a equilibrar a cadeia.

Os custos de produção, que vinham em queda até setembro, tiveram uma leve alta em outubro. O peso dos insumos vai depender do desempenho da segunda safra de milho no Brasil. Machado arrisca dizer que, provavelmente, deve haver um pequeno aumento nos custos. “2024 será um ano bom, mas com margens justas, semelhantes a que tivemos neste ano”, disse.
Para o longo prazo, o especialista prevê a expansão contínua da carne suína nos mercados interno e externo. O setor, no entanto, deve estar atento a exigências como bem-estar animal e meio ambiente. “A tendência é que os produtos da suinocultura sigam nessa trajetória de ganhar cada vez mais espaço”, concluiu.


TAGS:
COMENTÁRIOS

O QUE VOCÊ ACHOU DESSE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO...

Texto publicado originalmente em

Destaques
Mais lidas
1
Detalhado projeto da nova fábrica da Mahindra no RS
2
Ano se inicia com preços do IPPA em queda
3
Após dia de alta, Commodities voltam a cair em Chicago
4
Indicador do algodão sobe e já opera na casa do R$ 4,2/LP
5
Começa hoje a Abertura Oficial da Colheita do Arroz no RS
6
Chuvas em fevereiro aliviam situação de lavoras de café
7
Preços da arroba do boi e da carne seguem pressionadas
8
Indicador do arroz retoma patamar de nov/23
9
Dia de muita chuva em grande parte do Brasil
10
Chuva continua volumosa no Tocantins, Sudeste e Nordeste
Assine nossa NEWSLETTER
Notícias diárias no seu email!



Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.