Novos números indicam que quebra da safra de soja é iminente

Seca e altas temperaturas, sobretudo no Brasil Central, devido ao El Niño, comprometem potencial produtivo das lavouras da oleaginosa
Imagem do autor
- Especial para Rural News
Publicado em 18/01/2024

A cada dia a divulgação de novos números endereça que, de fato, a quebra da safra de soja 2023/24 será significativa, sobretudo no Brasil Central. O fenômeno climático El Niño, que registrou forte intensidade neste ciclo, provocou altas temperaturas e períodos de seca, prejudicando o potencial produtivo das lavouras da oleaginosa.

Em Mato Grosso, por exemplo, o Instituto Mato‐grossense de Economia Agropecuária (Imea) revisou para baixo a projeção de produtividade para 53,99 sacas por hectare, queda de 7,42% no comparativo mensal e 13,99% em relação ao ciclo passado. Segundo o instituto, com o ajuste no rendimento, a produção aguardada para o estado ficou estimada em 39,00 milhões de toneladas, redução de 13,93% em relação à temporada anterior. "A produtividade da soja no Mato Grosso é a pior em 15 anos", destaca relatório da EarthDaily Agro, empresa de sensoriamento remoto com uso de imagens de satélites.

De acordo com a empresa, os quatro principais estados produtores de soja têm previsão de quebra de safra em razão da estiagem. Ao observar a tendência dos últimos 15 anos, a Earth projeta redução na produtividade da soja no Mato Grosso, em Goiás, Mato Grosso do Sul e Paraná. A empresa estima a safra brasileira de soja em 149,2 milhões de toneladas.

“No Mato Grosso, o índice de vegetação (NDVI), que possui alta correlação com a produtividade, apresenta evolução muito ruim. Após dois anos de resultado acima da tendência, o NDVI traz uma curva mais acentuada e desfavorável do que nas temporadas de 2015/16 e 2012/13, quando houve quebra de safra”, explica Felippe Reis, analista de safra da Earth. “A produtividade em Mato Grosso está estimada em 15% abaixo da tendência, cerca de 52,12 sacas por hectare. O pior resultado foi em 2016, quando ficou 13% abaixo.”

Ao comentar o mais recente relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês), que projetou para o Brasil uma produção de 157 milhões de toneladas de soja, Pedro Schicchi, analista de Grãos e Óleos Vegetais da hEDGEpoint Global Markets, diz que o corte, de 4 milhões de toneladas, embora grande, ainda ficou acima da média das estimativas privadas, que giram em torno de 150 e 155 milhões de toneladas.
“O número da safra de janeiro da hEDGEpoint é de 153,4 milhões de toneladas, contra 160,1 milhões do início de dezembro. Por trás desse declínio está um dezembro quente e seco, como já é de conhecimento do mercado. Ainda assim, há nuances que precisam ser discutidas”, enfatiza Schicchi, que acrescenta: "com relação ao desenvolvimento, estamos bem no ‘olho do furacão’. A maior parte das áreas está passando pelos estágios reprodutivos da soja, os mais críticos para a produtividade."

O analista da hEDGepoint salienta, ainda, que as condições climáticas em dezembro não foram as melhores. "As temperaturas foram bastante altas durante o mês e a precipitação, em média, ficou abaixo do necessário. Mais calor significa mais evaporação, o que acentua a questão da falta de água, que certamente afetou as safras este ano. Ainda assim, na segunda metade do mês houve melhora, uma tendência que parece continuar em janeiro. A temperatura nessas duas primeiras semanas tem sido muito mais amena e, portanto, benéfica para as culturas. Além das temperaturas mais baixas, a precipitação também melhorou.”

No entanto, Schicchi pondera que para muitas áreas, essa melhora pode não trazer maiores produtividades, pois os danos sofridos já eram irreversíveis quando o clima começou a melhorar. "Contudo, para muitas outras áreas, ainda há tempo, e as melhores condições podem impedir que a produção nacional continue em queda."

Sobre o autor

Ronaldo Luiz é jornalista, com mais de 20 de trajetória no agronegócio. É editor dos Portais Uagro/DATAGRO, repórter especial da revista Plant Project, do site CenárioAgro e apresentador do talk show digital AgroPapo. É ainda colunista no Jornal Mato Grosso no Ar, distribuído para mais de 60 rádios de Mato Grosso, bem como do Portal RuralNews. Administra o grupo SouAgro no LinkedIn, que conta mais de 60 mil participantes. É proprietário da agência ComResultado - www.comresultado.com.br.
TAGS:
COMENTÁRIOS

O QUE VOCÊ ACHOU DESSE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO...

Destaques
Mais lidas
1
Quedas e oscilações de energia causam prejuízo milionário no campo
2
Arroba do gado pronto tem queda em algumas praças brasileiras
3
Brasil ainda tem fortes pancadas de chuva nesta sexta
4
Soja encerra a semana com mais um dia de queda na Bolsa de Chicago
5
Mais um dia de forte queda para o complexo da soja em Chicago
6
Mau cheiro de navio com 19 mil bois do RS surpreende moradores da Cidade do Cabo
7
Brasil deve seguir com grande produção bovina em 2024 e elevar exportações
8
Conheça o AgroBanker, a nova carreira do agronegócio
9
PR está entre os os três maiores exportadores do agronegócio do país em janeiro
10
Calor volta a acelerar a maturação do tomate e preço cai nos atacados
Assine nossa NEWSLETTER
Notícias diárias no seu email!



Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.