Melhora da soja em Chicago não chega ao Brasil

Mesmo com a valorização da soja na Bolsa de Chicago (CBOT), os valores no mercado interno não seguiram a mesma tendência.
Imagem do autor
- Especial para Rural News
Publicado em 19/01/2024

Olá, amigos do RuralNews. Estamos de volta! Eu sou o Valdecir Cremon e trago notícias do agronegócio. É claro que o assunto mais importante desta quinta para sexta feira foi a valorização dos preços da soja em Chicago. O que todo mundo esperava que contaminasse os mercados mundo afora. E aqui no Brasil, inclusive, já estamos no começo de uma safra cheia de interrogações, com muitas expectativas.

A maioria delas infelizmente, negativas quanto à produtividade, quanto ao rendimento daquilo tudo que o produtor acreditou e investiu, mas que, infelizmente, fenômenos climáticos têm atrapalhado bastante. Falando de Chicago, os contratos futuros para março fecharam ontem, com valorização de 0,64% a 12,13 $ por bushel. Era essa a contaminação que todo mundo esperava para os mercados da soja mundo afora, mas acabou não acontecendo.



Aqui no Brasil, os preços variaram ontem. A maioria das praças em queda de R$ 104 , a menor menor cotação, em Dourados, no Mato Grosso do Sul, para a melhor delas, R$ 123 em Passo Fundo e Porto do Rio Grande, no Rio Grande do Sul. Esperava-se que houvesse pelo a manutenção dos preços. Em Passo Fundo e Porto de Rio Grande o preço chegou a bater em 124,50 R$, mas houve diminuição nesta sexta, quinta feira para cotações de hoje.


O dólar deu uma valorização, digamos que andando de lado, 0,04% e fechou aqui no Brasil a R$ 4,931. E foi uma quinta feira de poucos negócios, de grande expectativa, mas que começa nesta sexta feira, que avança nesta sexta feira, aguardando que haja uma movimentação mais positiva em termos de preços, porque, afinal de contas, com produtividade em baixa num grande mercado produtor como é o do Brasil, certamente deverá ocorrer uma valorização para o produtor.



É o que se espera, mas na prática, nem sempre o que se espera é o que acontece. Foi exatamente o que registramos nesta quinta-feira. A gente acompanha com expectativa porque o produtor sorjicultor apostou pesado, comprou insumos, preparou a terra, comprou maquinário, mas, infelizmente, esqueceu se de olhar para a previsão do tempo. O fenômeno El Niño que vai prolongar esse primeiro semestre segundo os meteorologias, está aí batendo forte no bolso do nosso produtor rural, do nosso trabalhador do campo.

Sobre o autor

Valdecir Cremon é jornalista com passagens pela Folha de São Paulo, O Liberal, TVC MS, Diário da Região e Canal do Boi em editorias de Economia, Política e Agronegócio. Atua no rádio desde 1974 como diretor, produtor e apresentador. É colunista de sites e jornais do Estado de São Paulo e comenta as principais notícias do agro no canal Fator Político BR, no Youtube. @valdecir_cremon_oficial

TAGS:
COMENTÁRIOS

O QUE VOCÊ ACHOU DESSE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO...

Destaques
Mais lidas
1
Quedas e oscilações de energia causam prejuízo milionário no campo
2
Brasil ainda tem fortes pancadas de chuva nesta sexta
3
Arroba do gado pronto tem queda em algumas praças brasileiras
4
Soja encerra a semana com mais um dia de queda na Bolsa de Chicago
5
Mais um dia de forte queda para o complexo da soja em Chicago
6
Brasil deve seguir com grande produção bovina em 2024 e elevar exportações
7
Mau cheiro de navio com 19 mil bois do RS surpreende moradores da Cidade do Cabo
8
Conheça o AgroBanker, a nova carreira do agronegócio
9
PR está entre os os três maiores exportadores do agronegócio do país em janeiro
10
Calor volta a acelerar a maturação do tomate e preço cai nos atacados
Assine nossa NEWSLETTER
Notícias diárias no seu email!



Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.