IPVDF substitui prova em diagnóstico de raiva para abolir uso de animais vivos

Técnica é mais eficiente e atende os princípios éticos e de bem-estar animal

O Centro Estadual de Diagnóstico e Pesquisa em Saúde Animal Desidério Finamor (IPVDF) deu um importante passo rumo à modernização e ética nos processos de diagnóstico. Relatório de validação, elaborado por seu Laboratório de Virologia, comunica a substituição da Prova de Inoculação Intracerebral em Camundongos Lactentes, pela Transcrição Reversa seguida da Reação em Cadeia da Polimerase (RT-PCR) para o diagnóstico de raiva. Com isso, o IPVDF não utilizará animais vivos para a prova biológica.

“Essa substituição representa um grande avanço no diagnóstico da raiva animal. Além de ser uma técnica mais eficiente, ela elimina completamente o uso de animais, atendendo aos princípios éticos e de bem-estar animal”, explica a pesquisadora Carla Rodenbusch.
  Técnica é mais eficiente e atende os princípios éticos e de bem-estar animal
Técnica é mais eficiente e atende os princípios éticos e de bem-estar animal

Os testes verificaram que, além de proporcionar resultados mais rápidos, a técnica RT-PCR apresenta uma concordância de 99,4% com a prova biológica, sendo capaz de detectar variantes circulantes do vírus da raiva no Rio Grande do Sul. “Essa conquista não apenas moderniza o processo de diagnóstico da raiva animal, mas também reforça o compromisso do IPVDF com a redução do uso de animais em experimentação, em conformidade com os princípios éticos preconizados pelo Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal [CONCEA]”, ressalta o chefe do centro de pesquisa, Vilar Gewehr.

Para o coordenador do Comitê de Ética no Uso de Animais da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Ceua-Seapi), Guilherme Klafke, a substituição da prova biológica pelo método RT-PCR representa um significativo avanço ético, alinhado com os princípios dos 3Rs que orientam a experimentação animal: Redução, Refinamento e Substituição (Reduction, Refinement and Replacement, na sigla em inglês).

“A completa eliminação do ensaio com camundongos em favor de um método que não requer o uso de animais é um bom exemplo dos princípios dos 3Rs. Esta abordagem não só promove uma prática científica mais compassiva, como também evidencia uma evolução na busca por técnicas mais éticas e precisas”, destaca o pesquisador.

O IPVDF – Criado em 1942, o Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor, ligado ao Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Irrigação (DDPA/Seapi), está localizado no município de Eldorado do Sul e conta com uma área de 370 hectares.

Atualmente, é referência nos serviços de diagnósticos junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio do RS. Já na área de Parasitologia, é referência junto à Organização Mundial para Alimentação e Agricultura das Nações Unidas (FAO).A pesquisa e o diagnóstico realizados no IPVDF fundamentam as campanhas sanitárias, apoiados pelos programas de Pesquisa em Produção Animal e Apoio à Defesa Sanitária Agropecuária.




TAGS:
COMENTÁRIOS

O QUE VOCÊ ACHOU DESSE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO...

Assine nossa NEWSLETTER
Notícias diárias no seu email!
Destaques
Assine nossa NEWSLETTER
Notícias diárias no seu email!

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nossos termos de privacidade e consentimento da nossa Política de Privacidade.