Chuvas afetam produção agropecuária no RS

Danos mais significativos foram registrados nas culturas da soja, arroz e feijão segunda safra, diz Emater-RS/Ascar
Gustavo Paes

Publicado em 13/05/2024

O produtor Harrison Barcellos, de Glorinha, município da Região Metropolitana de Porto Alegre, nesta safra destinou 300 hectares para o cultivo de soja. Ele já tinha conseguido colher 160 hectares quando as intensas precipitações começaram a castigar o Rio Grande do Sul. “As chuvas começaram no dia 31 de abril e não pararam mais. A lavoura está toda debaixo de água. Em alguns trechos chega a ter dois metros de profundidade”, afirma o proprietário da Fazenda Barcellos. “Isso nunca tinha acontecido antes”, acrescenta o agricultor, que planta a oleaginosa há dez anos.

Barcellos olha para a lavoura tomada pela água e contabiliza os prejuízos e estima um prejuízo de R$ 1,2 milhão com a soja que deixará de colher. “Mas eu consegui colher quase a metade da área cultivada. Tem vizinho que colheram a produção e levaram para os silos e a água alagou”, observa.

Mas os problemas de Barcellos não se resumem somente a lavoura atingida pelas chuvas. Ele entregou a produção para a Bianchini, indústria de extração de óleos vegetais e produção de farelos a partir do processamento da soja. A unidade situa-se próxima aos bairros Mathias Velho e Harmonia, os mais atingidos pela tragédia em Canoas, município vizinho à capital gaúcha. Por lá, a água atingiu 1,8 metro de altura e danificou a estrutura que armazenava 100 mil toneladas da oleaginosa. “Estou tentando falar com eles, mas não consigo. Preciso vender a soja porque as contas estão chegando”, salienta.

As chuvas torrenciais da última semana foram altamente desfavoráveis para as atividades agropecuárias no Estado. Além de provocar mais de 100 mortes e afetar 447 municípios, o excesso de precipitação interrompeu os processos de colheita e causou inundações em vastas extensões de áreas cultiváveis em várias regiões.

Conforme a Emater-RS/Ascar, os danos mais significativos foram registrados nas culturas da soja, arroz e feijão 2ª safra, afetando severamente as lavouras maduras e comprometendo a qualidade dos grãos, devido ao prolongado encharcamento. A produção de hortigranjeiros também foi drasticamente atingida, pois há grande concentração de produtos na zona submersa.

O fenômeno ainda ocasionou danos significativos nas pastagens, a morte de milhares de animais, a interrupção da produção leiteira, entre outros problemas, que se prolongarão por tempo indeterminado em regiões severamente afetadas. Ademais, provocou transbordamento de açudes destinados à dessedentação animal e à criação de peixes.

Em lavouras com topografia declivosa, as chuvas extremas causaram erosão, formando sulcos particularmente em áreas com práticas inadequadas de manejo do solo e da água, segundo a Emater-RS/Ascar. Adicionalmente, houve danos em infraestruturas, incluindo a destruição de estradas, pontilhões e pontes, o que dificultará a logística de transporte da produção. Registraram-se também casos de inundação e destruição de estruturas de produção, como estufas de hortícolas, estábulos, salas de ordenha, silos e armazéns de grãos.

Soja - A soja, principal cultura do Estado, foi a mais atingida pela catástrofe climática. Antes do início das chuvas torrenciais. as produtividades obtidas na colheita de 76% das áreas eram consideradas satisfatórias, chegando a picos excelentes de 5,4 mil quilos por hectare, ou à produção mediana, próxima a 3 mil quilos por hectare.

No entanto, em razão do evento climático adverso, que impediu a realização da colheita em vários períodos, a perspectiva da operação para as áreas restantes (24%) mudou abruptamente, e as perdas de produção serão elevadas, podendo atingir até 100% das áreas remanescentes. Algumas infraestruturas de armazenagem de grãos também foram danificadas, o que pode afetar a produção colhida anteriormente.

A colheita foi suspensa, durante todos os dias, na maior parte do Estado. Porém, nas regiões Noroeste e Campanha, onde as precipitações iniciaram em 1º de maio, a operação pôde ser realizada entre os dias de 29 e 30 de abril, mas, de maneira precária, pois os grãos estavam excepcionalmente úmidos. A colheita foi retomada, lentamente, na Campanha a partir do dia 3 de maio, e ampliada nos dias seguintes. A área colhida totalizou 78% da cultivada.

A qualidade dos grãos retirados de lavouras maduras, que estavam sob chuva durante vários dias, está inapropriada, e muitas não serão colhidas pela inviabilidade econômica. O aspecto visual das lavouras destinadas à colheita não está adequado, pois o estágio ideal para a realização da colheita foi ultrapassado consideravelmente. A opção por colher nessas condições, mesmo diante de uma umidade elevada, acarreta descontos significativos, reduzindo a rentabilidade e não sendo suficiente para cobrir os custos de produção. Além disso, houve danos expressivos devido à perda de solo nas áreas de cultivo, ocasionada pela erosão provocada pelo excesso de chuvas durante o período.

Apesar das chuvas excessivas no início do ciclo, dos breves períodos de estiagem e dos desafios no controle da ferrugem-asiática, parte da safra, colhida antes das chuvas e das enchentes históricas no início de maio, está dentro da normalidade em função da obtenção de produtividades, conforme as projeções iniciais.

Porém, nos 22% de áreas restantes, as perdas serão significativas, variando de 20% a 100%, dependendo da localização geográfica. A estimativa de produtividade projetada inicialmente no Estado era 3.329 quilos por hectare, mas deverá variar negativamente, dependendo dos resultados de lavouras a colher ou perdidas. Na safra 2022/2023, a área cultivada no Estado com a oleaginosa está estimada em 6.681.716 hectares.






Sobre o autor Gustavo Paes

O repórter Gustavo Paes é correspondente do portal RuralNews em Porto Alegre e produz diariamente conteúdo.
TAGS:
COMENTÁRIOS

O QUE VOCÊ ACHOU DESSE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO...

Assine nossa NEWSLETTER
Notícias diárias no seu email!
Destaques
Assine nossa NEWSLETTER
Notícias diárias no seu email!

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nossos termos de privacidade e consentimento da nossa Política de Privacidade.

Logomarca RuralNews

© 2023 Newmídia Comunicação, Todos os direitos reservados.

O portal RuralNews é uma iniciativa que leva diariamente informações, novas tecnologias e as novidades do agronegócio do Brasil para o produtor rural e toda a cadeia produtiva do segmento. Reportagens, cotações diárias, vídeos, podcasts, artigos e muito mais!

Logomarca do Whatsapp Logomarca do Facebook Logomarca do Instagram Logomarca do Linkedin Logomarca do Twitter Logomarca do Youtube

ATENÇÃO! Esse site usa cookies

Nós armazenamos dados temporariamente para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com esse monitoramento e a nossa Política de Privacidade.