Pesquisa traça perfil da criação de abelhas sem ferrão no RS

Criação do inseto amplia a renda familiar de mais de 16 mil famílias no estado
Imagem do autor

Publicado em 11/02/2024

A meliponicultura - criação de abelhas sem ferrão - é uma atividade essencialmente ligada à agricultura familiar no Rio Grande do Sul, com 60% das propriedades rurais com menos de 11 hectares e 61% dos meliponicultores com Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP). Os dados fazem parte de uma pesquisa realizada pelo Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (DDPA/Seapi), em parceria com a Emater/RS-Ascar.

“A meliponicultura é uma prática tradicional e amplamente difundida no Brasil, que proporciona benefícios ambientais, incremento da produtividade de culturas agrícolas e gera produtos. Mas, até o momento, não havia dados oficiais e sistematizados acerca da atividade no Rio Grande do Sul”, explica a pesquisadora Larissa Bueno Ambrosini, uma das autoras da publicação.O objetivo da pesquisa foi realizar um diagnóstico da meliponicultura no RS, fornecendo informações que permitam: localizar e quantificar as famílias que praticam a atividade nas mesorregiões do Estado; estabelecer um perfil socioeconômico dos meliponicultores; quantificar o percentual de contribuição da atividade na renda familiar; e identificar os principais canais de comercialização dos produtos da meliponicultura.O estudo também buscou indicar os benefícios proporcionados pela cultura, além de identificar os principais entraves e ações para o desenvolvimento da atividade. “O maior entrave para o desenvolvimento da meliponicultura no Rio Grande do Sul está relacionado ao desmatamento e ao uso de agrotóxicos, segundo os meliponicultores”, garante Larissa.
Caixas para criação de abelhas em apiário, nas zona rural. Foto: CNB/Brasil
Caixas para criação de abelhas em apiário, nas zona rural. Foto: CNB/Brasil

ResultadosA meliponicultura é uma atividade desenvolvida por 16.209 famílias gaúchas, seja para autoconsumo, exploração comercial ou apenas com a presença de colônias nas propriedades rurais. “A maior concentração de famílias está localizada na mesorregião Noroeste Rio-grandense, que já possui uma tradição e destaque de longa data na produção de mel de Apis mellifera”, informa Larissa. As principais fontes de renda agrícola das famílias são a produção de grãos, a meliponicultura e a apicultura.Na prática da meliponicultura, a atividade que envolve o maior número de famílias é a coleta de mel, registrada em mais de 80% dos estabelecimentos, e a produção de colmeias, que envolve 57% dos meliponicultores. Destacam-se também atividades como educação ambiental (37%), polinização (35%), coleta de própolis (27%) e paisagismo (28%).O estudo apontou que a principal destinação dos produtos da atividade é o autoconsumo, seguido da venda. Os dados sobre comercialização mostram que 58,55% dos meliponicultores vendem mel, 41,4% vendem colônias de abelhas e 13,5% vendem própolis. “Entre os que coletam mel, a média de produção é de 22 quilogramas por ano, com uma coleta anual, normalmente. O produto é vendido por cerca de R$ 91,00/Kg, podendo variar, entretanto, de R$ 35,00 a R$ 240,00/Kg”, enumera Larissa.A produção e o preço de venda das colmeias variam de acordo com as espécies. “A espécie mais produzida e cujas colônias são comercializadas em maior quantidade é a jataí: cada colônia é vendida, em média, por R$ 176,80”, conta a pesquisadora. A espécie está presente em 95% das propriedades.As vendas acontecem de diferentes formas, e os meliponicultores utilizam mais de um canal para isso. A maior parte das vendas é feita de forma direta, na propriedade rural (60%), por meio da internet ou em grupos de mensagens (14%), ou em feiras de produtores (7%). A venda em pontos de comércio (0,9%), no varejo de vendas ou serviço (6%), é menos frequente.Em termos de renda, os resultados do estudo mostram que 46,8% obtém até um salário mínimo mensal com a meliponicultura, o que equivale a menos de 5% da renda total da família. Um grupo menor (4,5%) gera mais de três salários mínimos mensais com a meliponicultura, o que perfaz de 21 a 50% da renda familiar. Para 38,7% a atividade não gera renda.

A maior parte dos meliponicultores (55%) vê potencial de geração de renda para a família a partir da atividade. Os produtos com maior potencial são: o mel, para 91% dos meliponicultores; produção de colônias (57%); e própolis (35%).
TAGS:
COMENTÁRIOS

O QUE VOCÊ ACHOU DESSE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO...

Destaques
Mais lidas
1
Quedas e oscilações de energia causam prejuízo milionário no campo
2
Arroba do gado pronto tem queda em algumas praças brasileiras
3
Brasil ainda tem fortes pancadas de chuva nesta sexta
4
Soja encerra a semana com mais um dia de queda na Bolsa de Chicago
5
Mais um dia de forte queda para o complexo da soja em Chicago
6
Mau cheiro de navio com 19 mil bois do RS surpreende moradores da Cidade do Cabo
7
Brasil deve seguir com grande produção bovina em 2024 e elevar exportações
8
Conheça o AgroBanker, a nova carreira do agronegócio
9
PR está entre os os três maiores exportadores do agronegócio do país em janeiro
10
Calor volta a acelerar a maturação do tomate e preço cai nos atacados
Assine nossa NEWSLETTER
Notícias diárias no seu email!



Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.