ONU: Estresse hídrico atinge 2,4 bilhões de pessoas

Professora especializada em meio ambiente pede socorro por córrego em Rubiataba, em Goiás
Imagem do autor
- Especial para Rural News
Publicado em 04/02/2024


A crise hídrica que assola partes do mundo, incluindo a região amazônica que vive seca sem precedentes, afetando o Araguaia, preocupa a professora Ivanete Pessoa, educadora ambiental e criadora do Projeto Córrego da Serra, em Rubiataba, município do Vale do São Patrício, em Goiás.
Regiões produtoras de alimentos e mananciais sofrem com queda do nível de água no solo
Regiões produtoras de alimentos e mananciais sofrem com queda do nível de água no solo



“Uma simples ação de limpar o córrego mudou a mentalidade de uma cidade inteira”, observa que dedica 24 anos à prática de conscientização ambiental. A professora pede socorro pelo curso d’água que banha o horto florestal de sua cidade. Ela reconhece que sua reconstituição exige “grande investimento”, mas acha que vale a pena. No plano global,


Ivanete está convencida da necessidade urgente de “salvar o planeta”.



Segundo a ONU, hoje, 2,4 bilhões de pessoas vivem em países com estresse hídrico, definidos como nações que retiram 25% ou mais de seus recursos renováveis de água doce para atender à demanda de água.


As regiões mais atingidas incluem a Ásia Central e do Sul e o Norte de África, onde a situação é considerada crítica. Mesmo países com infraestrutura altamente desenvolvida, como os Estados Unidos, estão vendo o nível da água cair para níveis recordes.


A coordenadora da Unidade de Água Doce e Marinha do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Letícia Carvalho, afirma que "a escassez de água se tornou uma questão crítica para um número cada vez maior de países".



Para a mestra de Rubiataba, "as nações em todo o mundo precisarão ser mais criativas na maneira como gerenciam, conservam e protegem as fontes de água nos próximos anos”.



Além disso, afirma que “usar fontes de água não convencionais com sabedoria e em harmonia com a natureza será essencial para o progresso acelerado nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável".



Junto com as mudanças climáticas, segundo a ONU, a crise está sendo alimentada pela urbanização descontrolada, rápido crescimento populacional, poluição e uso intensivo da terra. A escassez de água afeta tudo, desde a segurança alimentar até a biodiversidade.



Até 2025, estima-se que 1,8 bilhão de pessoas enfrentarão o que a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura chama de "escassez absoluta de água".






Sobre o autor

Wandell Seixas é um dos mais respeitados jornalista especializados no agronegócio e escreve diariamente para o portal RuralNews. É bacharel em Direito pela PUC-GO, ex bolsita em cooperativismo agrícola pela Hidradut, em Tel Aviv, Israel. Já foi assessor de imprensa da FAEG, Emater, SGPA, CDL, além de autor do livro O Agronegócio Passa Pelo Centro Oeste e História da SGPA - Domando o Boi pela Genética.
TAGS:
COMENTÁRIOS

O QUE VOCÊ ACHOU DESSE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO...

Destaques
Mais lidas
1
Quedas e oscilações de energia causam prejuízo milionário no campo
2
Brasil ainda tem fortes pancadas de chuva nesta sexta
3
Arroba do gado pronto tem queda em algumas praças brasileiras
4
Soja encerra a semana com mais um dia de queda na Bolsa de Chicago
5
Mais um dia de forte queda para o complexo da soja em Chicago
6
Brasil deve seguir com grande produção bovina em 2024 e elevar exportações
7
Mau cheiro de navio com 19 mil bois do RS surpreende moradores da Cidade do Cabo
8
Conheça o AgroBanker, a nova carreira do agronegócio
9
PR está entre os os três maiores exportadores do agronegócio do país em janeiro
10
Calor volta a acelerar a maturação do tomate e preço cai nos atacados
Assine nossa NEWSLETTER
Notícias diárias no seu email!



Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.