Safra agrícola brasileira será de 303,4 milhões de toneladas, diz o IBGE

Previsão carrega corte superior a 3% sobre relatório anterior
Imagem do autor

Publicado em 08/02/2024

A produção de grãos, leguminosas e oleaginosas estimada para 2024 deve totalizar303,4 milhões de toneladas,3,8% menor que a obtida em 2023 (315,4 milhões de toneladas) com redução de 12,0 milhões de toneladas; e 1,0% abaixo da informada em dezembro, com decréscimo de 3,1 milhões de toneladas. A previsão foi divulgada nesta quinta-feira (8) pelo IBGE.

Veja dados e gráficos elaborados pelo instituto.
Levantamento foi divulgado nesta quinta-feira. Arte: IBGE
Levantamento foi divulgado nesta quinta-feira. Arte: IBGE

Estimativa de Janeiro para 2024303,4 milhões de toneladasVariação Janeiro 2024/Dezembro 2023(-1,0%) 3,1 milhões de toneladasVariação safra 2024/safra 2023(-3,8%) 12,0 milhões de toneladasA área a ser colhida é de 77,6 milhões de hectares, queda de 0,3% frente à área colhida em 2023, com declínio de 222,6 mil hectares, e acréscimo de 0,2% (189.770 hectares) em relação a dezembro.

O arroz, o milho e a soja, os três principais produtos, somados, representam91,8% da estimativa da produção e respondem por 86,9% da área a ser colhida. Frente à 2023, houve acréscimos de 8,5% na área a ser colhida do algodão herbáceo (em caroço), de 4,3% na do arroz em casca, de 3,5% na do feijão, de 0,6% na do trigo e de 1,3% na da soja, ocorrendo declínios de 4,5% na área do milho (queda de 7,1% no milho 1ª safra e de 3,7% no milho 2ª safra) e de 5,5% na do sorgo.

Em relação à produção, houve acréscimos, de 5,8% para o algodão herbáceo (em caroço), de 1,1% para o arroz, de 4,5% para o feijão e de 33,0% para o trigo, e decréscimos de 1,0% para a soja, de 14,0% para o sorgo e de 10,2% para o milho (reduções de 6,7% no milho de 1ª safra e de 11,1% no milho de 2ª safra).
A estimativa de janeiro para a soja foi de 150,4 milhões de toneladas. Quanto ao milho, a estimativa foi de 117,7 milhões de toneladas (25,9 milhões de toneladas de milho na 1ª safra e 91,8 milhões de toneladas de milho na 2ª safra). A produção do arroz foi estimada em 10,4 milhões de toneladas; a do trigo em 10,3 milhões de toneladas; a do algodão herbáceo (em caroço) em 8,2 milhões de toneladas; e a do sorgo, em 3,7 milhões de toneladas.

A estimativa da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas apresentou variação anual positiva para duas grandes regiões: região Sul (12,5%) e Norte (0,4%), e variação anual negativa para as demais: região Centro-Oeste (-11,6%), Sudeste (-5,7%), e Nordeste (-5,8%). Quanto à variação mensal, apresentou crescimento a região Norte (3,4%); estabilidade a Sudeste (0,0%), enquanto as demais apresentaram declínios: Nordeste (-1,6%), Sul (-2,6%) e Centro-Oeste (-0,6%).

Mato Grosso lidera como o maior produtor nacional de grãos,com participação de 27,6%, seguido pelo Paraná (14,0%), Rio Grande do Sul (13,3%), Goiás (10,2%), Mato Grosso do Sul (8,8%), e Minas Gerais (5,9%), que, somados, representaram 79,8% do total. Com relação às participações das regiões brasileiras, tem-se a seguinte distribuição: Centro-Oeste (46,9%), Sul (29,6%), Sudeste (9,5%), Nordeste (8,4%) e Norte (5,6%).
Destaques na estimativa de janeiro de 2024 em relação ao mês anterior

Em relação a dezembro, houve aumentos nas estimativas da produção do algodão herbáceo em caroço (9,4% ou 703.352 t), do feijão 2ª safra (2,1% ou 27.454 t), do milho 2ª safra (1,9% ou 1.706.928 t), do café canephora (0,5% ou 5.814 t), do feijão 3ª safra (0,4% ou 2.859 t), do café arábica (0,3% ou 7.562 t), e declínios nas estimativas de produção da castanha-de-caju (-4,6% ou 6.500 t), do milho 1ª safra (-3,5% ou -946.676 t), da soja (-2,7% ou -4.097.738 t), do sorgo (-2,2% ou -82.114 t), do feijão 1ª safra (-1,9% ou -19.218 t), da mandioca (-1,7% ou -307.044t), da batata 1ª safra (-1,4% ou -23.700 t), da batata 2ª safra (-0,8% ou -10.800 t), e do arroz (-0,5% ou -50.278 t).

Entre as grandes regiões, o volume da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas apresentou a seguinte distribuição: Centro-Oeste, 142,3 milhões de toneladas (46,9%); Sul, 89,9 milhões de toneladas (29,6%); Sudeste, 28,9 milhões de toneladas (9,5); Nordeste, 25,4 milhões de toneladas (8,4%) e Norte, 16,9 milhões de toneladas (5,6%).
As principais variações positivas nas estimativas da produção, em relação ao mês anterior, ocorreram em Tocantins (447.046 t), no Pará (118.641 t) e na Bahia (17.652 t). As variações negativas ocorreram no Paraná (2.416.400t), no Mato Grosso (-797.155 t), no Piauí (-277.232 t), no Maranhão (-150.191 t), em Rondônia (-10.799 t), no Ceará (-9.359 t), em Minas Gerais (-5.724 t) e no Rio de Janeiro (-286 t).

ALGODÃO HERBÁCEO (em caroço)– A estimativa para a produção é de8,2 milhões de toneladas, acréscimo de 9,4% em relação ao terceiro prognóstico. Em relação a 2023, as primeiras estimativas apontam para um aumento de 5,8% na produção, devido a previsão de uma maior área plantada (8,5%). Com essa previsão, será mais um recorde na produção de algodão (em caroço), lembrando que, em 2023, a produção também foi recorde quando atingiu 7,7 milhões de toneladas.

ARROZ (em casca)– A estimativa para 2024 aponta uma produção de10,4 milhões de toneladas, decréscimo de 0,5% em relação ao 3º prognóstico, e crescimento de 1,1% em relação ao volume produzido em 2023. A área plantada deve crescer 3,1%; a área a ser colhida aumentar 4,3% e o rendimento médio diminuir 3,1%. É importante ressaltar o aumento das áreas de arroz, pois ao longo dos últimos anos ocorreu uma redução das mesmas, em função, principalmente, da substituição por outras lavouras mais rentáveis, como a soja. Para 2024, há uma perspectiva para melhores preços do arroz.

BATATA-INGLESA– A produção da batata, considerando-se as três safras - verão (1ª safra), outono (2ª safra) e inverno (3ª safra) - deve alcançar 4,2 milhões de toneladas, redução de 0,8% em relação ao 3º prognóstico. A1ª safradeve contribuir com 41,1% do total de batata a ser produzido no ano. A produção estimada foi de1,7 milhão de toneladas, declínio de 1,4% em relação ao 3º prognóstico, com o rendimento médio declinando 1,4%. O maior declínio da produção em relação ao 3º prognóstico foi no Paraná (-5,6%).

A2ª safra, que representa 33,0% da produção total, foi estimada em1,4 milhão de toneladas; 0,8% maior que a estimada no 3º prognóstico. A área a ser colhida aumentou em 0,2% e o rendimento médio ficou 1,0% menor. Para a3ª safra, a estimativa da produção foi de1,1 milhão de toneladas, mantendo-se a previsão do 3º prognóstico. Em relação à 2023, houve declínios de 1,5% na estimativa da produção, de 0,1% no rendimento médio e de 1,4% na área a ser colhida

CAFÉ (em grão)- A produção brasileira de café, para 2024, considerando-se as duas espécies,arábicaecanephora, foi de3,5 milhões de toneladas, ou59,1 milhões de sacas de 60 kg, acréscimo de 0,4% em relação ao mês anterior e aumento de 3,7% em relação à 2023.

Para ocaféarábica, a produção estimada foi de2,5 milhões de toneladas, ou41,0 milhões de sacas de 60 kg, aumento de 0,3% em relação a dezembro, e de 3,9% em relação ao ano anterior. Em 2023, embora a safra do café arábica fosse de bienalidade negativa, a produção apresentou crescimento, quando comparado com 2022, uma vez que o clima beneficiou as lavouras, promovendo uma inversão dessa bienalidade. Para a safra do corrente ano, se aguarda uma bienalidade positiva, portanto, um aumento da produção em relação ao ano anterior.

Para ocafé canephora, a estimativa da produção foi de1,1 milhão de toneladasou18,1 milhões de sacas de 60 kg, acréscimos de 0,5% em relação ao mês anterior e de 3,4% em relação a 2023, em função, principalmente, do aumento de 2,2% no rendimento médio. No comparativo mensal, a área colhida e o rendimento médio apresentaram aumentos de 0,4% e 0,2%, respectivamente.

CASTANHA-DE-CAJU (amêndoa)– A estimativa da produção, para 2024, foi de133,8 mil toneladas, declínio de 4,6% em relação ao mês anterior, contudo, crescimento de 14,5% no comparativo anual. A queda na produtividade foi de 4,7% em relação ao 3º prognóstico, porém, aumento de 14,5% em relação a 2023, quando, houve ocorrência de muitos problemas climáticos e de pragas que atingiram as lavouras de caju.

FEIJÃO (em grão)– A estimativa da produção de feijão para 2024, considerando-se as três safras, deve alcançar3,1 milhões de toneladas, crescimento de 0,4% em relação ao 3º prognóstico e de 4,5% em relação à 2023.

A estimativa de produção da1ª safra de feijãofoi de1,0 milhão de toneladas, decréscimo de 1,9% frente à estimativa do 3º prognóstico, porém, aumento de 3,3% em relação a mesma safra de 2023. Esse número reflete a variação positiva de 1,9% na área a ser colhida e de 1,3% no rendimento médio.
A2ª safra de feijãofoi estimada em1,4 milhão de toneladas, aumento de 2,1% em relação ao 3º prognóstico, acompanhando a estimativa do rendimento médio que subiu 3,3% e a área a ser colhida que caiu 1,2%.

Com relação à3ª safra de feijão, a estimativa de produção foi de718,6 mil toneladas, crescimento de 0,4% frente à estimativa do 3º prognóstico, com a área a ser colhida aumentando 0,4%. Em relação a 2023, houve declínios de 7,8% na estimativa da produção; de 1,8% na área plantada e de 6,1% no rendimento médio.

MANDIOCA (raízes)– A produção brasileira deve alcançar18,2 milhões de toneladas, declínios de 1,7% em relação ao mês anterior e de 4,9% em relação a 2023. No Pará, maior produtor brasileiro de raízes de mandioca, a estimativa de produção declinou 5,3% em relação ao 3º prognóstico e 5,8% em relação a 2023, em função, principalmente da redução da área a ser colhida. A produção paraense deve alcançar 3,8 milhões de toneladas, representando 21,0% do total a ser produzido pelo País em 2024.

MILHO (em grão)- A estimativa para a produção do milho totalizou117,7 milhões de toneladas, representando uma queda de 10,2% em relação ao ano de 2023, muito influenciado pela redução de 1,1 milhão de hectares na área plantada (-4,8%) e pela redução de 5,9% no rendimento médio (5 578 kg/ha). Quando comparado ao 3º prognóstico, houve um aumento de 0,7% na produção e de 0,8% na produtividade. As condições climáticas e de mercado menos favoráveis desestimularam os produtores a investirem no cultivo do cereal.

O milho 1ª safradeve apresentar uma produção de25,9 milhões de toneladas, 6,7% inferior em relação ao ano anterior e 3,5% menor em relação ao 3º prognóstico. A queda na área plantada, tanto na comparação anual como na mensal (-7,6% e -2,2%, respectivamente), foi a principal causa da redução na produção. Em comparação ao 3º prognóstico, também ocorreu declínio de 1,3% no rendimento médio.

A estimativa domilho 2ª safraapresentou uma produção de91,8 milhões de toneladas, uma queda de 11,1% em relação ao ano anterior, entretanto, em relação ao 3º prognóstico, houve um crescimento de 1,9%. A região Centro-Oeste registrou uma perda de 15,3% na estimativa da produção, em relação a 2023, o que representa um impacto grande, uma vez que essa deve ser responsável por 70,3% da produção nacional em 2024.

SOJA (em grão)– A produção brasileira de soja deve alcançar150,4 milhões de toneladas, um decréscimo de 1,0% em comparação à quantidade obtida no ano anterior, devendo representar quase metade do total de cereais, leguminosas e oleaginosas produzidos no País em 2024. Os efeitos causados pelo fenômeno climático El Nino, caracterizado pelo excesso de chuvas nos estados da região Sul, e a falta de chuvas regulares, combinada com o registro de elevadas temperaturas na região Centro-Norte do país trouxeram, como consequência, uma limitação no potencial produtivo da leguminosa em boa parte das unidades da federação produtoras, justificando a queda de 2,7% na quantidade produzida em relação ao último prognóstico apresentado. O atraso no desenvolvimento da cultura no campo, além de limitar o potencial produtivo da leguminosa, também impacta no encurtamento da “janela de plantio” da 2ª safra do milho.

SORGO (em grão)– A estimativa de janeiro para a produção do sorgo foi de3,7 milhões de toneladas, reduções de 2,2% em relação ao 3º prognóstico e de 14,0% em relação ao obtido na safra 2023. Tais reduções devem ocorrer em função da menor área plantada e, em parte, pelo menor rendimento médio.


TAGS:
COMENTÁRIOS

O QUE VOCÊ ACHOU DESSE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO...

Destaques
Mais lidas
1
Quedas e oscilações de energia causam prejuízo milionário no campo
2
Arroba do gado pronto tem queda em algumas praças brasileiras
3
Brasil ainda tem fortes pancadas de chuva nesta sexta
4
Soja encerra a semana com mais um dia de queda na Bolsa de Chicago
5
Mais um dia de forte queda para o complexo da soja em Chicago
6
Mau cheiro de navio com 19 mil bois do RS surpreende moradores da Cidade do Cabo
7
Brasil deve seguir com grande produção bovina em 2024 e elevar exportações
8
Conheça o AgroBanker, a nova carreira do agronegócio
9
PR está entre os os três maiores exportadores do agronegócio do país em janeiro
10
Calor volta a acelerar a maturação do tomate e preço cai nos atacados
Assine nossa NEWSLETTER
Notícias diárias no seu email!



Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.