Caso Eldorado: MPF vê ameaça à soberania nacional e impõe derrota à Paper Excellence

Holding com origem na Indonésia não teria autorização do Congresso para adquirir terras brasileiras
Imagem do autor
- Especial para Rural News
Publicado em 30/01/2024

Um parecer assinado pelo procurador regional Fábio Nezi Venzon pela continuidade da ação ajuizada em Santa Catarina, que questiona na Justiça Federal a legalidade da venda da Eldorado Brasil Celulose, de Três Lagoas (MS), para a empresa Paper Excellence, gera mais um capítulo em uma disputa - a maior do país, de R$ 15 bilhões - com o grupo brasileiro JF, dos empresários e irmãos Wesley e Joesley Batista, fundadores da empresa.


Gigante de fabricação de celulose é de Três Lagoas, em Mato Grosso do Sul
Gigante de fabricação de celulose é de Três Lagoas, em Mato Grosso do Sul

“Portanto, o controle de extensas áreas de terras rurais por estrangeiros, diretamente ou por interpostas pessoas, está imbricado com riscos econômicos e ambientais, a que estarão submetidos os nacionais, daí ser justificável, a bem da soberania nacional, o controle previsto na lei e na Constituição”, afirma o procurador.



A manifestação foi anexada a um recurso enviado pelos irmãos ao TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) contra uma decisão que extinguiu a ação que corria na 2ª Vara Federal de Chapecó.


A ação foi movida pelo advogado e ex-prefeito da cidade Luciano José Bulligon (Republicanos).

O juiz federal Rogério Favreto entendeu que a Paper Excellence falhou ao não atender exigências do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) e do Congresso Nacional para a compra de terras brasileiras, sendo uma empresa original da Indonésia.


Advogados da Paper Excellence rebatem que a Paper pertence ao CA Investiments Brazil, que tem capital nacional.


Em julho de 2023, o TRF-4 suspendeu a transferência do controle da Eldorado à Paper com base na Lei 5.709/1971, que restringe a compra de terras nacionais por estrangeiros.



A Paper alega que não adquiriu terras, mas apenas a parte societária da empresa, em 2017, e que pagou em dia a primeira parcela de R$ 3,77 milhões. Os pagamentos foram paralisados depois que a JF foi à Justiça pedir o cancelamento do contrato de venda.



Em dezembro de 2023, um parecer do Incra indicou à Paper e ao Grupo JF, o fechamento de um acordo para cancelamento da venda. O grupo dos irmãos Batista chegou a marcar a data para a devolução do dinheiro recebido em 2017.








Sobre o autor

Valdecir Cremon é jornalista com passagens pela Folha de São Paulo, O Liberal, TVC MS, Diário da Região e Canal do Boi em editorias de Economia, Política e Agronegócio. Atua no rádio desde 1974 como diretor, produtor e apresentador. É colunista de sites e jornais do Estado de São Paulo e comenta as principais notícias do agro no canal Fator Político BR, no Youtube. @valdecir_cremon_oficial

TAGS:
COMENTÁRIOS

O QUE VOCÊ ACHOU DESSE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO...

Destaques
Mais lidas
1
Detalhado projeto da nova fábrica da Mahindra no RS
2
Ano se inicia com preços do IPPA em queda
3
Após dia de alta, Commodities voltam a cair em Chicago
4
Indicador do algodão sobe e já opera na casa do R$ 4,2/LP
5
Começa hoje a Abertura Oficial da Colheita do Arroz no RS
6
Chuvas em fevereiro aliviam situação de lavoras de café
7
Preços da arroba do boi e da carne seguem pressionadas
8
Indicador do arroz retoma patamar de nov/23
9
Dia de muita chuva em grande parte do Brasil
10
Chuva continua volumosa no Tocantins, Sudeste e Nordeste
Assine nossa NEWSLETTER
Notícias diárias no seu email!



Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.