Relatório do USDA derruba preços em Chicago

Soja chegou a cair 30 pontos e milho perdeu 14 cents por bushel após divulgação do Relatório Mensal de Janeiro do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos
Imagem do autor
- Especial para Rural News
Publicado em 12/01/2024

O relatório mensal de janeiro da USDA divulgado nesta sexta-feira, 12/01, trouxe números que deixaram o mercado de apreensivo. Os números do relatório automaticamente refletiram em Chicago, fazendo a soja cair 30 pontos e o milho cair 14 cents por bushel após a divulgação dos dados.

O fato é que os EUA tem uma decisão muito importante e decisiva para tomarem em breve, que é seu programação de exportação para a soja. Os americanos ainda precisam negociar 11 milhões de toneladas de soja, que o grão americano está US$ 1,5 acima do Brasil posto China. Eles terão uma dificuldade enorme para avançar com seu programa de exportação.
Como era esperado, o relatório cortou em 2 milhões de toneladas a produção brasileira
Como era esperado, o relatório cortou em 2 milhões de toneladas a produção brasileira

Mas o que fez o mercado cair mesmo foram os dados de estoque nos EUA, que o mercado esperava ser de diminuição e veio com um aumento substancial, principalmente para o milho. No relatório de dezembro, o milho estava com 315.22 milhões de toneladas e este de janeiro aumentou para 325.22 milhões de toneladas, sou seja, 10 milhões de toneladas a mais. Isso num momento em que eles precisam exportar um volume exponencial. Na produção de soja americana, o relatório trouxe uma atualização de 114.21 para 114.6 milhões de toneladas.

Na América do Sul, o relatório trouxe cortes na produção brasileira, como era esperado. Os números que em dezembro eram 161 milhões de toneladas baixaram para 157 milhões de toneladas, cerca de 4 milhões de toneladas a menos, confirmando expectativa do mercado.

Já para o milho brasileiro, o relatório cortou apenas em 2 milhões de toneladas a produção brasileira. Saiu de 129 milhões de toneladas para 127 milhões de toneladas.
A produção Argentina se manteve inalterada, com 55 milhões de toneladas. Apenas a soja aumentou 2 milhões de toneladas, passando de 48 milhões de toneladas para 50 milhões de toneladas neste relatório de janeiro.

Destaco novamente a necessidade de os EUA precisarem negociar muito volume e seus preços internos seguirem muito mais caro que os outros países. "Esses dados são muito relevantes e vão fazer com que as cotações caiam ao redor do globo. No Brasil o mercado chegou a bater o limite de baixa, caindo 5% para o contrato de março.

Além disso, o relatório também trouxe uma alteração nos dados da China: a produção de milho subiu 11 milhões de toneladas, o que acabou colocando um balde de agua fria no mercado.

Sobre o autor

Sócio da Granoeste Investimentos desde 2016, graduado em Ciência da Computação pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná e MBA em Inteligência Financeira pela Universidade Positivo. Especialista em renda variável de mercados globais e nacionais. Correspondente Bancário FBB100 Profissional credenciado junto a CVM como Agente Autônomo de Investimentos.
TAGS:
COMENTÁRIOS

O QUE VOCÊ ACHOU DESSE CONTEÚDO? DEIXE SEU COMENTÁRIO...

Destaques
Mais lidas
1
Detalhado projeto da nova fábrica da Mahindra no RS
2
Ano se inicia com preços do IPPA em queda
3
Após dia de alta, Commodities voltam a cair em Chicago
4
Indicador do algodão sobe e já opera na casa do R$ 4,2/LP
5
Começa hoje a Abertura Oficial da Colheita do Arroz no RS
6
Chuvas em fevereiro aliviam situação de lavoras de café
7
Preços da arroba do boi e da carne seguem pressionadas
8
Indicador do arroz retoma patamar de nov/23
9
Mais um dia de forte queda para o complexo da soja em Chicago
10
Dia de muita chuva em grande parte do Brasil
Assine nossa NEWSLETTER
Notícias diárias no seu email!



Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.