Milho 30/01/2024

Produção de etanol de milho deve fechar safra 2023/24 com alta de 37%

De acordo com a Unem, biocombustível a partir do grão deve responder por mais de 20% do mercado brasileiro de combustíveis até o ciclo 2030/31

Segundo Damazio, anúncios de novas usinas de etanol estão surgindo por todo o território nacional.

Ronaldo Luiz

O setor de etanol de milho espera produzir 10 milhões de m³ até a safra 2030/31, abarcando mais de 20% do mercado brasileiro de combustíveis, segundo dados da União Nacional de Etanol de Milho (Unem). Para a temporada 2023/24, o processamento deve alcançar 6 milhões de m³, alta de 37% em relação ao ciclo anterior.
Na safra 2022/23, a produção brasileira de etanol foi estimada pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar e Bioenergia (Unica) em 31,1 milhões de m³, sendo 4,43 milhões de m³ partindo do milho, correspondendo a 14% do total. Segundo Vinicius Damazio, especialista no mercado de etanol da Argus, empresa especializada na produção de relatórios e análises de preços para o mercado de commodities, “o Brasil tradicionalmente apostou na cana-de-açúcar como matéria-prima principal para o processamento de etanol, mas o interesse crescente de antigos e novos investidores deve elevar a participação de mercado do biocombustível fabricado a partir do milho”.

Segundo o especialista, anúncios de novas usinas de etanol estão surgindo por todo o território nacional. "As usinas em si não são novidade, dada a rica história do país na produção de biocombustíveis – especialmente etanol a partir da cana. O que chama a atenção é que a matéria-prima que essas fábricas processarão é o milho."De acordo com Damazio, um consenso entre participantes do mercado é que o etanol de milho está a passos largos de abocanhar porções cada vez maiores do mercado doméstico do biocombustível, via projetos greenfield [novas plantas] e brownfield [adaptadas].

Pesquisa realizada pela Argus constatou que 15 novas plantas de etanol a partir de outras matérias-primas que não a cana-de-açúcar foram reveladas ao longo de 2023 e mais podem estar a caminho.
"Naturalmente, alguns projetos são mais ambiciosos que outros. Um fator chave que levou algumas empresas a avançar na produção do biocombustível a partir de milho e outros cereais foi a disponibilidade ampla sob um custo baixo, com a 2a. safra possibilitando abastecimento para o ano inteiro", ressalta o levantamento.

Além disso, analistas de bancos de investimento afirmam que usinas de etanol – seja qual for a matéria-prima – são intensivas em capital, mas o prazo de retorno do investimento (ROI, na sigla em inglês) em projetos de milho é mais rápido que os de cana. Alguns especialistas acreditam que o avanço do etanol de milho pode inclusive mudar a dinâmica de trading durante a entressafra. Isso porque usineiros mais capitalizados costumam adotar uma estratégia de "carry", que envolve a formação de estoques para se beneficiar de preços mais atraentes quando seus concorrentes encerraram a moagem de cana, ou seja, quando há menos produto disponível no mercado.

A cana-de-açúcar tem um período de cultivo limitado e não pode ser armazenada, pois começa a fermentar assim que cortada, enquanto as plantas de milho podem produzir o ano todo.